Notícias principais

Intercâmbio de High School de menor duração agrada pais e alunos

Destaque no Mini High School da Interprograms, a estudante Jéssica Luciana descreve sua experiência como intercambista no inverno

 

As diferenças já começam no horário de acordar. A rotina matinal tem início um pouco mais tarde do que no Brasil, às 7h30, para comer um cereal e pegar o ônibus para chegar à primeira aula do dia, a de inglês, que começava apenas às nove da manhã. Esse ritual matutino constituiu grande parte da estadia de dois meses da estudante Jéssica Luciana, 17, no inverno do Canadá.

A intercambista de Lucas do Rio Verde, MT, aluna do colégio Lasalle e da Wizard, foi considerada destaque no programa pelas autoridades educacionais da Notre Dame High School, na cidade de Red Deer.

Os dias se dividiam em A ou B, pois nenhuma das matérias tinha qualquer obrigatoriedade, ou dependiam de notas. Dessa forma, todos os dias, além das aulas de inglês, biologia e Leadership, (atividade já exercida no Brasil), Jéssica também alternava entre o teatro e as artes.

Para ela, a experiência pode ser muito importante também para a sua carreira, que por enquanto está entre jornalismo ou letras. “Minha aula favorita era a de inglês, com a Mrs. Cellini. Era muito interessante pois a classe lia cada trecho e ela explicava. Achei o método muito legal. Tive contato com a literatura clássica, e assim a vivência no exterior pode ter um impacto bom na minha vida profissional”, diz ela.

Mas é claro que, em um país diferente, existem vários hábitos e culturas que variam em relação ao que estamos acostumados aqui no Brasil, e é sobre isso que a Jéssica falou:

O que te motivou a fazer o intercâmbio?

O meu pai deu a ideia e me convidou a pesquisar sobre o assunto. Eles sempre me apoiaram para conhecer o novo e me deram as condições, então eu abracei a ideia e percebi que seria a melhor maneira de passar as minhas férias.

Qual foi sua maior experiência durante o intercâmbio?
A primeira vez que fui à escola e tive contato com os canadenses da minha idade. Foi muito interessante perceber a diferença de comportamento, o formato das aulas, e isso tudo foi muito enriquecedor.

E como foi morar com outra família durante esse tempo?
Foi uma experiência ótima, tanto que mantenho contato com eles até hoje! Existem algumas diferenças nos hábitos e na criação também. O bacon e ovos no café da manhã acontece, mas tentávamos manter uma dieta mais saudável durante a semana. Achei estranho também, por exemplo, jantar às 17h, o que é bem mais cedo do que no Brasil, e sempre agradecíamos a pessoa que comprou ou fez o jantar antes de comermos. Além disso, tem a cultura do frio né…As casas estão totalmente equipadas contra o inverno com um sistema de aquecimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E as diferenças de cultura? O que você teve que adaptar?

Nas escolas as relações de amizade são bem diferentes. Aqui no Brasil nos abraçamos muito, e lá não tem muito isso. Uma vez eu mandei ‘beijos’ para uma menina pelo whatsapp e ela estranhou, pois isso é para gente bem mais próxima.

Mas mesmo assim você fez amigos? Manteve contato com eles?
Os canadenses são muito simpáticos. Eu fui recebida em todas as aulas como parte da turma, e não alguém diferente. Tenho amigas canadenses com quem converso até hoje, além das brasileiras e dos alunos internacionais, como os mexicanos, os chilenos e até uma garota da Eslováquia. Além disso, todos perguntavam bastante sobre o Brasil, e achavam interessante eu ter saído do calor do Brasil e ido para o inverno congelante do Canadá.

E por que você acha que foi considerada um destaque?
Eu fiz muitos amigos e falei bastante em inglês durante a experiência. Tive um contato muito especial com as crianças mais novas também. No geral, eu aproveitei muito a experiência e acho que as pessoas puderam perceber o quanto eu estava gostando da vivência.

E qual mensagem você deixaria para alguém que quer fazer intercâmbio?
Vá! Aprenda a língua, faça amigos, se jogue na neve! É uma experiência única, e por mais que você vá de novo, ou faça outros intercâmbios, nunca é a mesma coisa. Não tenha medo de se arriscar, mesmo que seu inglês ou espanhol seja pouco, porque eles têm muita vontade de ensinar.
Ah, e não se esqueça de levar casacos. Muitos casacos!

intercambistas do programa Mini High School da Interprograms e professora.

5 destinos imperdíveis para quem gosta de adrenalina

Alguns destinos e pontos onde a adrenalina máxima pode ser obtida

Aos nosssos intercambistas aqui vão nossa seleção

Gravity Canyon Flying Fox em Taihape, Nova Zelândia Esta experiência tirolesa é como nenhuma outra. Com a linha de mais de um quilômetro, um piloto chega a 160 km por hora, voando 575 pés acima de um rio, tudo ao mesmo tempo.

nova zelandia

The Claw em Dreamworld em Coomera, Queensland, Austrália

Este passeio insano leva os viajantes aos céus para balanços em 80 km/h, ao mesmo tempo que gira 360 graus. É o pêndulo mais

Leia Mais»

Brasileiros investem em intercâmbio para melhorar qualificação profissional

Intercâmbio para melhorar qualificação profissional

?????????????????????????????????????????  Aprender um novo idioma, aprimorar os conhecimentos da língua estrangeira e conhecer novas culturas são os principais motivos que levam os brasileiros a estudar no exterior. No ano passado, 175 mil viajaram para outros países em busca desses objetivos, de acordo com pesquisa da Belta (Associação Brasileira de Organizadores de Viagens Educacionais e Culturais). As agências do setor indicam expansão do mercado e a expectativa é que haverá crescimento nos próximos anos.

Leia Mais»

Viajar é preciso

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”

Convidamos vocês para partirem conosco.

Para partimos em direção às aventuras e venturas da experiência de viajar para experimentar, criar, viver e reviver momentos e sensações. Para lançarmos sobre o futuro nosso olhar de esperança e compreensão entre diferentes povos e culturas.

Venha conosco!